09/09/2017 às 09:43:00

Golpistas cobravam até R$50 para agendar emissão de RG pela internet

Redação

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul indiciou por estelionato e falsidade ideológica um casal de Campo Grande que fraudou o sistema de agendamento eletrônico para emissão da primeira ou segunda via do documento de identidade - serviço que é totalmente gratuito.

Utilizando nomes falsos, Gildásio Amaral de Almeida e Luciana Idelidia de Jesus Gomes Amaral faziam agendamentos eletrônicos nas datas e horários disponíveis do site da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) e controlavam o serviço por meio de um protocolo, que é encaminhado por email sempre que a reserva é feita.

Eles cobravam cerca de R$5 para preenchimento da guia e de R$25 a R$ 50 pelo agendamento, conforme a urgência da pessoa em obter o RG (Registro Geral).

"Eles tomavam conta de praticamente todos os horários disponíveis. Quando conseguiam vendê-los, cancelavam a reserva usando o protocolo do email. Imediatamente, a data e horário ficam disponíveis e eles faziam novo agendamento, com o nome da pessoa que havia acabado de pagar por isso", detalha Jucilene Correa Menezes, diretora da Coordenadoria Geral de Perícias, responsável pela identificação no estado.

Gildásio atraía as vítimas em uma Kombi branca que ficava estacionada nas proximidades do Fácil Guaicurus, Bairro Moreninhas, onde funciona um posto de identificação. Já Luciana atuava na lan house do casal, localizada na Avenida Guaicurus, fazendo o mesmo tipo de aliciamento.

"Havia um cartaz informando que no veículo e na lan house era realizado preenchimento da guia e agendamento eletrônico. Até aí, nada de ilegal, pois eles agiam como despachantes. O problema é que eles engavam as pessoas para obter vantagens; cobravam por um serviço público que é totalmente gratuito", explica a titular da 4º Delegacia de Polícia, Célia Maria Bezerra da Silva.

Como foi descoberto - A desconfiança do estelionato teve início a partir de um atendimento no posto de identificação do Pátio Central Shopping. Uma senhora reclamou do valor cobrado pelo agendamento eletrônico e os peritos papiloscopistas estranharam, pois o serviço é gratuito.

Com isso, a coordenadoria verificou que, no sistema, havia grande quantidade de cadastros com prenome Júnior, com sobrenomes variados, mas filiação e data de nascimento iguais. Os emails para envio do protocolo também eram os mesmos: agendamentoms@gmail.com e xeroxkombi@gmail.com.

Neusa Ortega da Silva, 48, foi uma das vítimas. Procurou o Fácil da Guaicurus para tirar 2ª via do RG que havia sido roubado. 

"Minha filha entrou na internet e viu que iria demorar 2 meses para conseguir tirar o documento. Quando fui no posto de identificação tirar dúvidas, vi que esse senhor conseguia fazer agendamento antes. No dia eu só tinha R$ 20, e ele aceitou. Marcou a data, me deu um papel e depois de quinze dias retirei o RG no Pátio Central", conta a autônoma, que mora no Bairro Nova Jerusalém.

Gildásio e Luciana foram indiciados por estelionato e falsidade ideológica, o famoso artigo 171 do Código Penal, cuja pena varia de 1 a 5 anos de reclusão.

"Não cabe prisão agora porque eles estão colaborando com as investigações, cancelaram todos os agendamentos. Ainda estamos em busca de outras vítimas. A coordenadoria passa uma relação dos reagendamentos e, com base nos nomes, perguntamos se a pessoa pagou para fazer o cadastro", afirma.

A delegada descarta o envolvimento de servidores do órgão para facilitar a realização da fraude e ainda investiga se a prática vem sendo cometida por outras pessoas.

Quem teve o agendamento eletrônico cobrado indevidamente ou se sentiu lesado pode entrar em contato com a Polícia Civil por meio do telefone (67) 3398-2500.

campograndenews

Enquete

Mural de Recados

Postar Recado