12/03/2018 às 07:37:00

Legalização de jogos de azar levaria à sonegação, lavagem de dinheiro e corrupção política, diz Simone Tebet

Redação


O projeto foi rejeitado na CCJ nesta quarta-feira

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) rejeitou, nesta quarta-feira (7), por 13 votos a 2, o projeto (PLS 186/2014) que legalizava os jogos de azar e permitia a reabertura dos cassinos no Brasil. A proposta autorizava a exploração de bingos, jogo do bicho, videojogo e outras modalidades de apostas.

Contrária ao projeto, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que a legalização levaria à sonegação, lavagem de dinheiro e corrupção política. “O jogo no Brasil já tem dono e esses donos vão querer financiar campanhas para terem seus interesses representados no Congresso Nacional, possibilitando um Estado paralelo no Legislativo. Tenho vergonha de discutir esse projeto no Senado”.

Para Simone, o projeto permitiria a abertura de cassinos em pontos turísticos já consagrados. Ela chamou de balela o argumento da geração de empregos. Para a senadora sul-mato-grossense, a legalização do jogo, proibido desde 1946, levaria à sonegação, ao vício, à destruição da família, à prostituição, inclusive infanto-juvenil, e à corrupção.

O projeto do senador Ciro Nogueira (PP-PI), foi relatado pelo senador Benedito de Lira (PP-AL), mas recebeu votos em separado pela rejeição dos senadores Magno Malta (PR-ES) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). A matéria agora será arquivada.

Assessoria

Enquete

Mural de Recados

Postar Recado