08/10/2017 às 14:07:00

Por que é mais difícil para as mulheres lutar contra alcoolismo e dependência às drogas

Redação
Mulher bebendo na janelaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionEm grupos de apoio mistos, as mulheres não encontram um ambiente que atenda suas necessidades; familiares também apoiam menos, segundo especialistas

Gabriela* percebeu que precisava de ajuda quando, depois de sair embriagada de uma festa no interior de São Paulo, bateu o carro, quebrou duas costelas e tomou mais de 40 pontos no rosto.

"Até então eu achava que estava no controle, que era só eu querer que pararia de beber", diz a engenheira civil. "Precisei quase morrer pra perceber que tinha que parar. Só que não consegui."

Depois do acidente, ela começou a ir às reuniões de um grupo dos Alcoólicos Anônimos (AA). Entre os que participavam das reuniões havia apenas duas mulheres - ela e uma senhora de meia idade. Gabriela, que tinha 26 anos na época, conta que imediatamente se tornou um alvo de cantadas incômodas e avanços sexuais não solicitados.

"Porque compartilhei histórias envolvendo álcool e sexo, eles achavam que podiam me abordar sobre isso. Senti que estava sendo caçada, sabe? Tipo uma presa. Estou acostumada a ambientes masculinos, mas naquele momento eu precisava de sinceridade e apoio", afirma.

De tão desconfortável, Gabriela acabou abandonando as reuniões e parou o tratamento.

Ainda lidando com o vício, ela se envolveu com um homem mais velho, que também havia frequentado o AA. "Eu estava frágil e sozinha. No início ele me ajudou a ficar sóbria, mas logo se tornou um relacionamento abusivo e eu passei a beber mais ainda", conta.

Gabriela só conseguiu ficar sóbria por mais tempo ao se internar em uma clínica de alto padrão no interior do Estado - um luxo inacessível para a maior parte das alcóolatras como ela.

Esse ambiente hostil e tóxico para mulheres que buscam combater seus vícios também foi constatado pela pesquisadora Kátia Varela Gomes - que acompanhou grupos de apoio a dependentes químicos para um estudo que fez no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) sobre dependência química e gênero.

"Falta um tratamento adequado. Fiquei chocada ao ver que as frases que os homens falavam eram exatamente as mesmas que eu havia encontrado na literatura (científica): 'mulher quando usa droga fica facinha', 'se é feio para homem beber, imagina para a mulher', etc", afirma a psicóloga.

"As mulheres se calavam e depois de algumas semanas, desistiam do tratamento."

Tratamento adequado

Diversas pesquisas apontam que o consumo de álcool entre as mulheres brasileiras tem aumentado, segundo o observatório Cisa (Centro de Informações sobre Saúde e Álcool).

De acordo com a Organização Panamericana de Saúde, entre 2011 e 2016 a frequência de episódios de uso abusivo de álcool (BPE - Beber Pesado Episódico) aumentou entre as mulheres de 4,6% para 13%. O último Levantamento Nacional de Álcool e Drogas, feito em 2014, também indica o aumento desse tipo de episódio no Brasil.

O problema é que, na prática, as mulheres acabam tendo menos sucesso nos tratamentos do que os homens.

Mulher e garrafas de bebidaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionSegundo os especialistas, até profissionais de saúde muitas vezes reproduzem preconceitos e julgamentos

"Embora o uso abusivo de álcool venha aumentando entre as mulheres, o tratamento na maioria das vezes ainda é muito feito de um ponto de vista masculino e voltado para os homens", diz o psiquiatra Cirilo Tissot, especialista em dependência química e diretor da Clínica Greenwood, em São Paulo.

"Você precisa levar em consideração questões específicas das mulheres, que muitas vezes são negligenciadas: a questão hormonal, que é diferente, necessidades de cuidados pessoais diferentes", explica.

"Nas clínicas, desodorantes e produtos de cuidado pessoal são proibidos, porque a pessoa pode cheirar, ingerir. Para os homens, vir o barbeiro e cortar o cabelo uma vez durante uma internação longa é suficiente. Mas muitas mulheres querem pintar o cabelo, passar uma maquiagem. As pessoas tratam isso como futilidade, frescura. Dizem absurdos como: 'para que se maquiar, quer seduzir alguém?'. Negligenciam o que pode ser um elemento importante para trabalhar autoestima."

Segundo Kátia Gomes, o próprio planejamento dos horários do tratamento pode prejudicar as mulheres. "Se o encontro do grupo de apoio for em um horário que impossibilite as mulheres que têm filhos de levá-los à escola, elas não vão se tratar. O homem quando tem filho deixa com a mãe. As mulheres com adicção, na maioria das vezes, não têm com quem deixar", diz.

"Você tem que lidar com preconceito. Os homens falam assim: eu quero sair porque faz muito tempo que eu não transo. Se não tem namorada, ele vai num prostíbulo, e isso é visto com a maior naturalidade. Você precisa ver a coisa catastrófica que foi quando a primeira mulher disse isso na clínica. Ela avisou ao pai que queria sair no fim de semana porque fazia tempo que não transava. Foi uma crise na família", conta Tissot, cuja clínica recebe pacientes para internamentos longos e curtos.

Segundo os especialistas, até profissionais de saúde muitas vezes reproduzem preconceitos e julgamentos. "É uma luta constante para conscientizar as colegas profissionais a terem outro olhar", diz Gomes.

Abandono

A solidão à qual as mulheres que têm algum tipo de vício são expostas é outro fator a enfraquecer o tratamento, segundo os especialistas.

"Os homens que estão se tratando muitas vezes têm apoio das mulheres, da mãe e do pai, e em alguns casos até dos filhos. As mulheres, em sua maioria, estão sozinhas enfrentando suas doenças", conta Katia.

Das cerca de 50 mulheres em tratamento no Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS) de Guarulhos, na grande São Paulo, só duas têm companheiros que as ajudam. O problema é o mesmo na Clínica Greenwood.

"É uma percepção que tenho desde que fazia residência. Uma mulher lutando conta a dependência muito raramente vai ter o apoio do companheiro. Até a família julga mais e apoia menos quando a paciente é mulher", explica Tissot.

Camila
Image captionCamila perdeu os amigos durante o tratamento do vício: "Eles me procuravam por aquela Camila baladeira e, quando não encontravam, rolava um estranhamento"

Camila, que ficou internada na clínica durante quatro meses, é um exemplo da situação. Enquanto tentava ficar sóbria, os amigos se afastaram e a relação nunca mais foi a mesma.

"Eu comecei a beber no cursinho pré-vestibular para me enturmar. Sempre fui a baladeira, que não queria ir embora e insistia pro pessoal beber mais. Mas os homens sempre me viam como 'um dos caras' por eu beber muito. Servia para ser amiga, mas não para ter um relacionamento", diz ela.

"Depois, meus amigos sempre procuravam por essa antiga Camila e quando não a encontravam, rolava esse estranhamento", conta a administradora de empresas.

Ela conta que os pais, embora a tenham apoiado, nunca a entenderam direito.

"Eu contava das dificuldades, e eles falavam que não, não era tão grave, que a gente conseguiria resolver em família. Era uma negação mesmo de que a filhinha deles pudesse ter um vício. Tive que contar sobre as outras drogas que estava usando para eles entenderem que era sério", afirma.

Camila enfrentou a dependência química por mais de dez anos e acabou, durante esse tempo, substituindo um vício pelo outro. Teve períodos de compulsão alimentar, de consumo compulsivo e de compulsão por sexo.

Já Gabriela não teve o apoio da família para se internar. "Quando eu estava no fundo do poço meu namorado saiu de casa e minha mãe disse que eu tinha me afundado porque quis. Não me deu um centavo para o tratamento. Tive que me demitir do emprego para ficar três meses na comunidade terapêutica e ainda não terminei de pagar a dívida enorme que fiz para pagar o tratamento."

Julgamento

"O estigma colocado sobre pessoas com dependência química sempre existiu, mas a gente percebe, tratando ambos os sexos, que no caso das mulheres isso é muito mais proeminente. O julgamento é muito maior", afirma Cirilo Tissot.

"O vício não é visto como uma doença, mas como uma falha moral, uma questão de força de vontade. Ainda mais quando se trata de um problema como compulsão sexual", explica Tissot. "Em vez de ser vista como uma pessoa que precisa de tratamento e apoio, a mulher é vista como pervertida."

Camila fala tranquilamente sobre o problema com álcool e em drogas, mas hesita quando o assunto é compulsão sexual.

Ela conta que seu atual namorado entendeu e apoiou quando ela revelou seu problema com drogas e álcool, mas não aceitou muito bem ao descobrir o vício em sexo. "Até então ele entendia que eu estava doente, queria cuidar de mim, me ajudar. Mas no aspecto do sexo ele não enxergou do mesmo jeito", conta.

Pés de Camila
Image captionCamila está sóbria há mais de um ano e tenta controlar as outras compulsões, que se desenvolveram para substituir a dependência química

Tissot diz que as descobertas científicas de que vícios estão relacionados a desequilíbrios químicos do corpo foram mudando a visão sobre o tema ao longo do tempo, mas que o julgamento moral sobre as mulheres permanece até hoje.

"A repressão que existe sobre a mulher é tal que quando a pessoa fica desviante dessas expectativas, o quadro é considerado mais grave", diz ele.

Kátia Gomes diz que a dependência química feminina "configura-se como porta-voz do que é intolerável na feminilidade".

"Uma mulher que está grávida e tem uma adicção é vista como um monstro. Mas se é uma patologia ela não tem controle. Esse tipo de condenação é um tiro pela culatra, porque só aumenta o nível de ansiedade dessa mulher, que muitas vezes foi o que a levou a desenvolver o vício em primeiro lugar", explica Gomes.

Tissot afirma que mulheres que têm filhos se sentem muito mais culpadas que os homens de se afastar por alguns meses para se tratar. "A gente explica que ela precisa estar bem. Não adianta estar aqui fora e não ter condições de cuidar dos filhos."

Centenas pesquisas feitas nos EUA apontam as diferenças entre os gêneros na questão da dependência química.

Segundo uma revisão da literatura científica publicada por pesquisadoras como Shelly F. Greenfield, da Escola de Medicina de Harvard, e Susan M. Gordon, da Universidade do Arizona, estudos feiros entre 1990 e 2005 já indicavam que as mulheres com a patologia têm menor chance de obter tratamento adequado.

Já no Brasil, a pesquisa de Katia Varela Gomes, publicada em 2010, foi apenas a quinta a estudar as especificidades da dependência e do tratamento em mulheres.

"A própria falta de pesquisas na área por aqui mostra essa desigualdade", afirma a psicóloga, ressaltando que, em condições não preconceituosas e equânimes, as mulheres teriam tanta chance de recuperação quanto os homens em um tratamento.

Hoje ela trabalha no CAPs (Centro de Atendimento Psicossocial) de Guarulhos com grupos de apoio exclusivos que atendem as demandas específicas das mulheres. Ela afirma que a chance de uma mulher se recuperar não é diferente da de um homem se ela receber apoio e tratamento apropriado. "Eu vejo muitas histórias de sucesso, de mulheres que estão recuperadas e levando uma vida bem mais funcional e feliz."

* Sobrenomes ocultados a pedido das entrevistadas.

bbcbrasil

Enquete

Mural de Recados

Postar Recado