10/04/2018 às 14:14:00

Com indícios de pirâmide financeira, Federal volta a investigar Minerworld

Redação

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul devolverá à Polícia Federal a condução das investigações da empresa Minerworld, suspeita de cometer crime contra a economia popular. De acordo com o órgão estadual, o encaminhamento das investigações à PF ocorreram uma vez que foram constatados indícios de pirâmide financeira.

A determinação de mudança nas investigações ocorreu, segundo a Polícia Civil, por determinação do MPF (Ministério Público Federal). A reportagem buscou contato com o órgão, que afirmou que não comentará as investigações uma vez que o processo corre em sigilo. Todavia, na prática, as investigações voltam a ser competência da PF, já que as primeiras denúncias ocorridas no primeiro trimestre de 2017 foram encaminhada para o órgão federal.

Na época, o MPF (Ministério Público Federal) até iniciou o inquérito, mas o procurador da República Silvio Pereira Amorim declinou da competência em favor do MPE, porque de acordo com jurisprudência do STF (Supremo Tribunal Federal), "compete à Justiça dos Estados, em ambas as instâncias, o processo e o julgamento dos crimes contra a economia popular".

Vale lembrar que na ocasião do declínio, a empresa ainda não tinha reclamações de pessoas lesadas, conforme aponta o parecer do procurador. Atualmente, porém, a tendência é que as investigações avancem, já que desde outubro de 2017, milhares de associados à empresa enfrentam dificuldade para receber os repasses de rendimentos prometidos pela empresa. A partir de então, usuários passaram a acreditar que, de fato, a Minerworld possa ser uma empresa que opera em esquema de pirâmide financeira, ou seja, um negócio no qual se faz baixo investimento e se obtêm lucros exorbitantes, de mais de 100% dos valores investidos.

O que mudou, portanto, é que as reclamações contra a empresa começaram a surgir: no fórum de consumidores Reclame Aqui, por exemplo, já são quase 800 reclamações formais. Centenas de usuários também se organizam para entrar com ações judiciais a fim de receber de volta os valores investidos. O Jornal Midiamax esteve em contato com um grupo de cerca de 120 pessoas, de estados como São Paulo, Minas Gerais, Pará e Rio de Janeiro, que deverão entrar ainda em abril com ação contra a empresa.

Investigações, novas denúncias e 'calote'

A retomada das investigações pelo MPF pode estar associada às novas denúncias realizadas no órgão federal, que reforçariam que o suposto golpe da Minerworld teria abrangência nacional e até internacional. Denúncias realizadas na Polícia Federeal, que o Jornal Midiamax teve acesso, em janeiro de 2018, comprovam a atuação da empresa para além das fronteiras nacionais (a Minerworld afirma ter sede no Paraguai) e reforçam a caracterização da empresa como uma pirâmide financeira.

Desde que interrompeu o pagamento de rendimentos, em outubro de 2017, a Minerworld apresentou diversas justificativas. A mais atual, anunciada em março, foi que a conta da Minerworld na exchange Poloniex - um dos mais famosos 'câmbios' de bitcoin por dinheiro estatal - havia sofrido um ataque de hackers, resultando num prejuízo milionário de mais de US$ 16 milhões, referentes a 851 bitcoins na cotação de dezembro de 2017.

A empresa também implementou em janeiro um polêmico plano de liquidez dos pagamentos atrasados, no qual, pagamentos poderiam ser feitos em Mcash - a recém criada criptomoeda da empresa, que ainda não tem valor comercial considerável.

A empresa, no entanto, nega que seja pirâmide e diz que atua em esquema de MMN (Marketing Multinível), no qual os rendimentos seriam proporcionais ao número de envolvidos na rede de cada investidor.

midiamax

Enquete

Mural de Recados

Postar Recado