21/02/2018 às 12:05:00

O desperdício de alimentos continua alto

Redação


 

Por Coriolano Xavier, Vice-Presidente de Comunicação do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM.

 

É difícil conviver tranquilo com o desperdício corrente de alimentos, que não é pouco. Dados da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), por exemplo, mostram que o setor deixou pelo caminho cerca de R$ 7 bilhões em 2016, por conta de alimentos jogados fora devido à aparência, danos ou validade. A maior parte foi de frutas, legumes e verduras (FLV). Mas padaria, confeitaria, comida pronta, peixes e carnes também pesaram no desperdício. Juntas, essas categorias registraram perdas próximas a 20% do faturamento líquido do setor.

O desperdício começa nas lavouras, continua depois da porteira e faz com que 30% do que se produz no campo não chegue ao consumidor, segundo alerta a FAO Brasil, órgão da ONU para a agricultura e alimentação. Essa enormidade de alimento desperdiçado decorre, em parte, do próprio gigantismo do sistema de produção e distribuição alimentar, reflexo da acelerada urbanização que vivemos. Perde-se alimento no transporte, no manuseio de varejo, no processamento, por padrões de consumo, vencimento e deterioração.

Para reduzir o problema, em geral se busca prolongar o tempo de prateleira dos produtos perecíveis com melhorias em refrigeração, embalagem, técnicas de exposição e logística. A genética também é convocada para desenvolver cultivares mais resistentes aos desafios do complexo percurso do campo à mesa. E tem ainda o marketing, que pode ajudar nessa cruzada contra o desperdício trabalhando sobre crenças que hoje contribuem para o encalhe de produtos.

Já se viu, por pesquisa, que mais de 40% das pessoas associam produto feio a impróprio para consumo (o que não é necessariamente um fato) e mudar tal percepção, com transparência e dentro de princípios éticos, certamente contribuiria para diminuir refugos. Incentivar novas formas de consumo é outro caminho possível, aproveitando alimentos fora da cartilha convencional em sucos, sopas, saladas e outras formas de preparo. Enfim, apostar no conceito de conveniência e na educação do consumidor para driblar o rejeito de produtos.

É possível também reposicionar produtos de menor valor percebido, aumentando seu atrativo para consumo. O caso das pequeninas “maçãs da Mônica” já é um clássico. Miúdas, fora do padrão premium e azedinhas, elas não tinham grande apelo e eram aproveitadas para produção de sucos. Mas foram reconceituadas como produto para crianças, com o reforço publicitário de um personagem famoso de HQ infantil, abrindo seu espaço no mercado. Hoje, fala-se que as azedinhas representam mais de 10% do mercado nacional de maças.

No complexo sistema de produção alimentar, dificilmente uma só coisa resolve um grande problema. É um setor multidisciplinar e, muitas vezes, a solução para seus desafios não está somente ao longo da cadeia produtiva, mas também na ponta do abastecimento, na mente do consumidor. Evitar que uma enormidade de alimentos acabe no lixo parece ser um de seus desafios essenciais. Vital para a sustentabilidade do setor. E o marketing pode ajudar bastante.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

 

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

 

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

 

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website:http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel.

Assessoria

Enquete

Mural de Recados

Postar Recado